Central de Manicures

o retorno de zabelê, zumbi e besouro... a vespa não veio. tá lá, fabricando mel

terça-feira, 27 de abril de 2004

vou me transformar em leoa
CENTAURO EM PELE DE FELINO

Apesar de sempre falar de signos, nem sei exatamente se acredito mesmo em toda essa conversa zodiacal.

Mas como acho divertido, que se foda o ceticismo. Vou continuar falando.

Hoje mesmo recebi um link de um teste que tem como objetivo provar que horóscopo é uma pataquada. Fica em um site chamado Ceticismo Aberto, que aproveitei pra conhecer e gostei bastante, por sinal.

É um teste de astrologia reversa. Ou seja, em vez de "diga-me com quem andas e eu te direi quem és", a coisa funciona na base do "diga-me quem és e...", bom deu pra entender, né?

Você escolhe, de uma coluna de características, as que têm mais a ver com sua personalidade. No final, vê se é um "peixes" fora do "aquário". Ou algo que o valha.

Segundo meu teste, não sou sagitariano. Sou leonino. Porque somando tudo tirei 86 em Leão. Acontece que também tirei 86 em Sagitário. E aí, como fica?

Mas chega de papo que eu sei que você tá louca pra fazer o teste. Então clica aqui logo, vai.

segunda-feira, 26 de abril de 2004

Estava viajando na semana passada.

Volto com a programação anormal do site em breve.

Beijos,

Manny

quinta-feira, 15 de abril de 2004

amônia, uréia, essas coisinhas...
PENTELHO, PENTELHEIRA, DESPENTELHADO

ALERTA: Este é um post extremamente vulgar e inútil.

Vamos falar de pentelhos.
Hoje, ao entrar no banheiro da firma, vi que no mictório branquinho como liquid paper havia uns cinco fios de cabelo pendurados por lá.

Como tinha bebido muita água _o que implica um jato de urina mais demorado_ comecei a refletir sobre aqueles pentelhos. Será que o dono deles tinha arrancado e deixado ali de propósito? Eu sei, é coisa de cachorro ou gato essa mania de demarcar território.

Lembrei de uma mania, essa de minha própria “otoria”: se eu entro no banheiro e tem alguém acabando de usar um mictório, eu não consigo mijar no mesmo. Tem que ser em um que não esteja com o xixi do outro ainda quente.

A sensação de alívio proporcionada por uma boa mijada anunciava que meu jato de xixi estava quase no fim e, sem ter como saber se os pentelhos deixados para a posteridade eram uma tentativa de mostrar que aquele mictório tinha dono, não pensei duas vezes: usei a urina que me restava para empurrar os pentelhos cano abaixo.

P.S.: Manny Curi não é adepto de golden shower. Apesar de já ter, atendendo a pedidos, urinado em alguém (que nunca mais viu, graças a Deus).

segunda-feira, 12 de abril de 2004

jogos que ninguém vence
A TRISTE JORNADA AO TOPO DA MONTANHA

Havia a montanha
E havia o alpinista.

Uma com seu topo assolado por fortes tempestades.
O outro disposto a desafiar todas elas.

Em certos dias, a montanha percebia o cansaço de seu oponente e dava um jeito de mandar para longe as nuvens escuras, carregadas de chuva e insegurança.
Nestas ocasiões o alpinista podia se dar ao luxo de cravar uma de suas bandeiras no solo da montanha.

E isso, claro, logo despertava a fúria da montanha.
Que, afinal de contas, em toda a sua grandiosidade de montanha, não poderia ser assim tão fácil de conquistar.
Sobretudo por um alpinista que nem mesmo lhe pedira permissão para iniciar a jornada.

E disso a montanha nunca haveria de esquecer.

Às vezes o alpinista chorava. Em outras sentia um dor tão grande que lamentava ter se arriscado assim, na escalada de uma montanha em que nunca ninguém havia subido. E pensava, em sua dor de amante do perigo, que o ineditismo tem um preço altíssimo.

Lembrava de todos os amigos que o aconselharam a não cometer tal loucura: escalar justamente essa montanha?

Mas a idéia de vencer a montanha lhe tirava os pés do chão.
A simples idéia de ver o que havia do outro lado chegava a tirar-lhe o fôlego.
E era isso que o empurrava, dia após dia, rumo ao cume gelado da montanha.

Aconteceu porém que a sucessão de dias ruins fez o alpinista sentir vontade de abandonar a jornada.
Continuar pra que?
Montanhas são montanhas e não seria difícil encontrar outra que fosse menos complicada.

Ao perceber isso, a montanha abriu caminho para o alpinista. Apesar de sua grandeza de rainha dos acidentes geográficos, não queria perder aquele que entretinha seus dias e fazia menos monótona a vida estática de um ser todo feito de rocha. Ainda que lá no fundo de todas as camadas de pedra houvesse sim, um ou outro fluxo de magma.

A montanha abriu caminho para o alpinista, que decidiu continuar a escalada. E subiu naquele dia, sem nenhum equipamento, muito mais metros do que em toda a jornada.

Tudo em vão.

Ocorreu que a montanha, ao abrir caminho para seu adversário, contrariou sua própria natureza de ser indevassável. Isso despertou, naquela noite, uma nevasca nunca antes vista. Nevou na base e nevou no topo.

Para matar o alpinista, a montanha matou a si mesma.
Congelava o inimigo sob pena de ficar ela mesma gelada por eras.

Guardou entre suas camadas de gelo o corpo sem vida do alpinista, cuja história passou a ser contada nos vilarejos vizinhos. E a moral da história era sempre a de que nuca se deve confiar em uma montanha.

tanto bate até que fura
FOI UM GESTO PEQUENO, MAS ME FEZ FELIZ

Hoje abri meus e-mails e tinha uma mensagem do Canceriano Um. Coisa raríssima, já que ele acessa a internet com a mesma freqüência que o cometa Halley passa pela Terra.

Um e-mail bem fofo, de Páscoa:

"Cristo sofreu até a morte e Deus o ressuscitou.

Isto quer dizer que Deus salva aqueles que amam e permanecem fiéis ao propósito de amar.

Esta é a mensagem da Páscoa: Nada mata o amor perseverante e fiel".

Boa Páscoa"


E isso fez minha semana começar BEM mais feliz.

segunda-feira, 5 de abril de 2004

Sábado fui ao show da


MARIA RITA

Já tinha ido no ano passado, mas gostei bem. Ela é foda.
Não é disso, porém, que vou falar.

É que, antes de entrar no Credicard Hall, enquanto esperava uns amigos, fiquei de olho no figurino dos meus colegas de platéia. Daí a pergunta:

POR QUE DIABOS O POVO SE ARRUMA TANTO PRA IR VER SHOW?

Era um tal de loira com vestido longo e velhinha de terninho cor de ovo! Fiquei intrigado. Uma senhora teve o disparate de chegar num modelão azul tucano esvoaçante, com direito a sandália de prata.

Eu quase perguntei onde ela ia sambar. Mas meu amigo César me fez refletir: "Imagina a cara do namorado quando ela apareceu assim, com essa roupa", disse ele.

As grandes casas de show substituíram, na minha humilde opinião, as festas de quermesse de igreja. Sabe em subúrbio ou em cidade do interior, em que o maior evento da semana é se arruma e dar voltas na pracinha? Pois é.

Daí haja tafetá, musseline e, sobretudo, que me perdoe Miguel Falabella, muita viscose. A viscose está para shows de MPB como a chita para festa junina.

Se um dia eu for candidato a vereador minha plataforma vai ser das mais fúteis (como se pudesse ser diferente!): vou defender projetos de lei que cobrem ingressos mais caros de gente cafona.


(para responder rápido:
sandália de prata
também mata lobisomem?
)

sexta-feira, 2 de abril de 2004

you do the math
TENSÃO PÓS-TRASH

Qualquer equação que envolva:

Adriana Spaca, Paula N., Poveza, Cambridge, champanhe e vodca

Resulta em MUITO PERIGO.
Eu bem quero minha cama.