Central de Manicures

o retorno de zabelê, zumbi e besouro... a vespa não veio. tá lá, fabricando mel

sábado, 31 de janeiro de 2004

não tem jeito, ninguém vai superar
MEU MELHOR PRESENTE DE ANIVERSÁRIO


Era o meu aniversário de 19 anos e ele disse que à noite faríamos um programa a dois. Um cinema, um jantar ou qualquer coisa para comemorar a data e o fato de que estávamos juntos havia algum tempo.

Ele foi o primeiro cara com quem fiquei, o mais especial, o que mais amei...

Mas ele tinha que participar de uma conferência em um congresso e sugeriu que eu fosse junto. De lá sairíamos para o tal programa a dois. Sentei no meio dos participantes, com cara de tacho. Todo mundo por lá tinha pelo menos dez anos a mais que eu.

E ele brilhou, como em todas as outras vezes em que teve de falar em público. Eu, lá no meio, ficava ao mesmo tempo revoltado com a demora - era meu aniversário, merda! - e orgulhoso de estar com alguém tão articulado, inteligente, interessante...

Daí acabou a conferência e já era tarde demais para qualquer sessão de cinema. Ou para achar um restaurante aberto. Senti vontade de chorar. Ele tagarelava no carro como se estivesse tudo ótimo. E eu com um bico diretamente proporcional ao bom humor dele.

Chegamos à casa dele. Ele entrou no quarto e me mandou esperar do lado de fora porque ia preparar meu presente.

Depois de uns dez minutos me mandou entrar.

O quarto estava meio escuro e ele me esperava coberto. Eu tinha certeza de que ele estava sem roupa por baixo. E estava mesmo. E me deu o corpo dele de presente.

Acreditem, eu nunca usei tanto um presente de aniversário em tão pouco tempo. É desse tipo de coisa que tenho saudade.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2004

jamantismo eletrônico
APOSTO: SÓ ACONTECE COMIGO

Aí você está no trabalho às dez e meia da noite
E recebe um e-mail de uma das pessoas mais sérias da empresa.

E, no final do texto, tem esse gif animado:


Alguém merece?

um girinho rápido
MOMENTO COM MEU ÍDOLO


Ele usava cabelos curtos até 1997.

E foi o primeiro homem a usar tiara na televisão (dizem os fãs).

O olhar dele mata mais do que bala de carabina. Que veneno estricnina...

Ele me irrita e eu tenho vontade de comer naftalina quando ele aparece na televisão.

Ele é:


Antônio Guerreiro

Quer mais? Entra aqui

terça-feira, 27 de janeiro de 2004

i'll be there for you
É SÓ GRITAR QUE EU VOU

Alguns amigos são para as horas de diversão.
A outros você pede dinheiro emprestado.

Com uns a gente ri
e outros riem da gente

Mas poucos amigos estão lá quando você precisa
E eu quero ser esse amigo pra você.

Por isso a música abaixo.

You've Got A Friend
(James Taylor)

When you're down and troubled
and you need a helping hand
and nothing, whoa nothing is going right.
Close your eyes and think of me
and soon I will be there
to brighten up even your darkest nights.


You just call out my name,
and you know wherever I am
I'll come running, oh yeah baby
to see you again.
Winter, spring, summer, or fall,
all you have to do is call
and I'll be there, yeah, yeah, yeah.
You've got a friend.


If the sky above you
should turn dark and full of clouds
and that old north wind should begin to blow
Keep your head together and call my name out loud
and soon I will be knocking upon your door.


You just call out my name and you know wherever I am
I'll come running to see you again.
Winter, spring, summer or fall
all you got to do is call
and I'll be there, yeah, yeah, yeah.

Hey, ain't it good to know that you've got a friend?
People can be so cold.
They'll hurt you and desert you.
Well they'll take your soul if you let them.
Oh yeah, but don't you let them.

You just call out my name and you know wherever I am
I'll come running to see you again.
Oh babe, don't you know that,
Winter spring summer or fall,
Hey now, all you've got to do is call.
Lord, I'll be there, yes I will.
You've got a friend.
You've got a friend.
Ain't it good to know you've got a friend.
Ain't it good to know you've got a friend.
You've got a friend

segunda-feira, 26 de janeiro de 2004

referência
OS POBRES E AS NOVELAS*

No subúrbio onde cresci, no Rio, a vida era sempre pautada pelas novelas. Em todos os sentidos.

O horário dos compromissos, por exemplo. Uma festa só tinha quórum se começasse depois da novela das oito. "Passa lá em casa depois de 'Roque Santeiro'", seria a frase-convite. É assim até hoje: "Menina, passei na casa da Jussara ontem, depois da 'Celebridade'".

Uma das maiores alegrias de um subúrbio é ser escolhido como cenário de uma das tramas. O povo se enche de orgulho em saber que seu quinhão de terra vai aparecer na Globo. Além de status com os parentes que moram em outros subúrbios, existe a esperança de que o imóvel que compraram com muito suor fique mais valorizado. E ainda tira onda com os colegas do trabalho. "Mô otário, eu moro em São Cristóvão. Aparece toda hora no Clone! E tu que mora em Santa Cruz?"

Outra alegria de ser O subúrbio de novela é que dá a impressão de que o bairro é perto de tudo. O povo vai de Ipanema a Del Castilho em vinte minutos. Na vida real o percurso não leva menos de uma hora.

O que os pobres e as pobres vestem também sofre grande influência do figurino das novelas. E, por conta disso, fomos brindados com manias horrendas como o tererê da Bionda e as meias com sandália da Babalu, de "Quatro por Quatro", agora reeditadas pela Darlene, de "Celebridade".

E já reparou que pobre nunca sabe o nome do ator? Se vê a Malu Mader na rua, grita "Alá a Maria Clara!", Marcos Pasquim é Esteban, Ana Paula Arosio pra sempre será Giuliana. E, sim, "alá" é uma maneira abreviada de dizer "olha lá". Também é comum confundir pessoas que se parecem fisicamente. Como a amiga da minha irmã que viu a Marisa Monte no Leblon e gritou: "Vani, eu adoro você", achando que era a Fernanda Torres.

Queria um jeito criativo de terminar esse post, mas preciso almoçar. Agora de tarde, depois da "Corpo Dourado", eu tento de novo.

Este post é dedicado às caléga do Suburbia Tales, um dos blogs mais geniais que li nos últimos tempos

Não sei quanto a vocês, mas eu já cansei desse tempo chuvoso.



sexta-feira, 23 de janeiro de 2004

menina do céu!
EU QUERO! EU QUERO! EU QUERO!

Olha o que está na pré-venda do Submarino:


"Sex and the City" - 4ª Temporada - R$ 75,90

Assim eu nunca vou cumprir a resolução
de ano-novo de juntar dinheiro em 2004...

uma garrafa no oceano
VENHA CORRENDO PARA O ÁLCOOL, MEU IRMÃO

Ontem, depois do fechamento, fui com o pessoal da redação tomar uma cerveja no boteco em frente ao trampo.

Pra aliviar a tensão e dormir mais calmo.

Lá concluí:

I do not have a drinking problem.

I have a drinking sollution.

tanta coisa pra dizer e a gente nem se fala
ENTÃO ARRASA

Eu só queria entender por que a gente se esforça tanto pra machucar um ao outro.

Precisava ser assim?

quinta-feira, 22 de janeiro de 2004

amar como jesus amou
ÁREAS, HIPÉRBOLES E PARÁBOLAS

Os formatos, cores, tamanhos... Todo ser humano é como um poliedro.

Sim, isso mesmo. Exatamente como aquelas figuras das aulas de desenho do ginásio, quando tudo de que a gente precisava para ser feliz era de um conjunto de esquadros, transferidor e compasso novos.

Deviam inventar instrumentos que nos fizessem entender melhor os poliedros. As pessoas, eu digo. Porque, tudo bem quando você lida com um cubo perfeito, de seis lados exatamente iguais e cujas distâncias são facilmente calculáveis.

Mas eu nunca vou saber lidar com um icosaedro, por exemplo. Aquele que tem vinte lados. E eu tenho uma grande tendência a me aproximar desses, sobretudo aqueles irregulares: sempre uma cara diferente. Uma para quando está comigo, outra quando fala com um amigo meu e outra ainda, para quando não há ninguém perto. A gente não sabe (nem eles mesmos) qual faceta escolher no final das contas.

Icosaedros irregulares cabem em poucas prateleiras. Dependendo do material de que são feitos podem ser extremamente frágeis ou bastante pesados. Os de cristal ou vidro precisam de atenção e manutenção constantes, coisa de que nem sempre a gente consegue dar conta. Os de ferro, cobre e metais em geral pesam mais do que dá para carregar e se tornam um fardo. Vale ter boa vontade com eles, sim. Mas é preciso entender, tanto nós quanto eles, que persistência é, como o grafite dos lápis, um recurso limitado.

Sempre fui um ótimo aluno, daqueles que passam de ano no terceiro bimestre. Mas a única vez na vida em que precisei fazer quinta prova – vergonha das vergonhas – foi em desenho geométrico. Eu não consegui fazer um icosaedro. Hoje entendo a razão.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2004

post truque
ELA FALA GREGO

Eu ADORO a Mulher Maravilha.



"Mulher Maravilha... Até seus acessórios tinham poderes mágicos"
Carrie Bradhsaw, na terceira temporada de "Sex and the City"

segunda-feira, 19 de janeiro de 2004

rosa de ouro é quem vai ganhar
CONFIRMADO: BAGACEIRA NÃO TEM LIMITE

Há muito tempo eu não bagaçava tanto numa festinha como fiz no sábado.

Foi na casa do Kiko Zambianchi (aquele que gravou a versão em português de "Hey Jude, lembra?), no Pacaembu, e minhas companhias foram o Rafa e a Myrian.

A caricatice começou já no caminho: pegamos todo o trânsito da saída dp show do Iron Maiden. Com o puta engarrafamento que se formou, só nos restou começar a consumir as cervejas da festa no próprio carro. Como o rádio estava quebrado, a gente começou a ouvir a música do celular: “ô abre alas, que eu quero passar”.

Na festa tinha cerveja, saquê e vodca. Lá pelas tantas, naquele meu estágio de bebedeira em que preciso saber o signo de todas as pessoas, eu me aproximei da Patrícia Coelho, aquela cantora, lembra?

Veja o diálogo:

Manny: Meu, eu torci tanto pra você ganhar na “Casa dos Artistas”. Até tentei ligar pra votar...

Patrícia: hahahahahahahahahahahahaha... obrigada...

Manny: Achei ridículo a Bárbara Paz ganhar. Eu sou seu fã...

Patrícia: ‘Brigada, querido!

Virei as costas chocado com a minha cara de pau. Primeiro porque eu não conheço nenhuma música da Patrícia Coelho. Depois porque eu torci, sim, para a Bárbara Paz ganhar.

E esse é só um dos momentos.

Pior foi quando a Myrian apresentou a gente pra um cara que era filho do Guilherme Afif Domingos. Sim, lembra daquele político que concorreu à presidência?

Ou quando ela levantou a blusa e, barriga à mostra, olhou pra minha cara e disse: “Tô preocupada com a minha hérnia”. Isso só para citar alguns momentos de caricatice...

O Rafa ficou bêbado como há muito tempo eu não via. E ele quando enche a cara fica hilário. E quem conhece o moço sabe como é difícil ele deixar de ser sério e quietinho.

Saímos de lá quase às seis da manhã. E eu ainda passei na Trash pra ver os amigos e fui com o povo para a padaria. Fui dormir às 8h30, depois de tomar dois Dramins...

Espero que meu fígado nunca venha tirar satisfações comigo.

pensamento do domingo
NADA A VER COM A FESTA AÍ DE CIMA, MAS...


Thanks for curing me of my ridiculous obsession with love


Obrigado por me curar da minha obsessão ridícula com o amor.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2004

pra bom entendedor...
JAMAIS PINGUEI TÃO LINDO ASSIM

Meu lado Cauby Peixoto veio à tona ontem. Fui encontrar os amigos em um karaokê no Bixiga e, depois de umas três cervejas, criei coragem e subi no palquinho pra cantar.

Um show de caricatice sem limites. Pinguei* MUITO, cara! Primeiro cantei "Dói Demais", do Só Pra Contrariar. Isso mesmo que você leu, amiga. É brega até o talo, mas eu gosto da letra.

Daí, no fim da noite, cantei mais uma, "It Might Be You", do Stephen Bishop, da trilha sonora de "Tootsie". A Chi adorou e postou a letra no blog dela

Eu já publiquei a letra aqui, mas resolvi colocar de novo, já que vira e mexe me pego cantando essa música.

IT MIGHT BE YOU (Stephen Bishop)

Time, I've been passing time watching trains go by
All of my life
Lying on the sand watching seabirds fly
Wishing there could be someone
Waiting home for me

Something's telling me it might be you
It's telling me it might be you
All of my life

Looking back as lovers go walking past
All of my life
Wondering how they met and what makes it last
If I found the place would I recognize the face

Something's telling me it might be you
It's telling me it might be you
So many quiet walks to take
So many dreams to wake and there's so much love to make

I think we?re gonna need some time
Maybe all we need is time
And it's telling me it might be you
All of my life

I've been saving love songs and lullabies
And there's so much more
No one's ever heard before
Something's telling me it might be you
Yeah, it's telling me it must be you and
I'm feeling it'll just be you
All of my life
It's you, it's you I've been waiting for all of my life
Maybe it's you Maybe it's you I've been waiting for all of my life.


PODERIA SER VOCÊ (STEPHEN BISHOP)

Tempo
Tenho passado tempo vendo trens passar
A minha vida toda
Deitado na areia, vendo pássaros marinhos voar
Desejando que houvesse
Alguém esperando por mim em casa

Algo me diz que poderia ser você
Diz que poderia ser você
A minha vida toda

Olhando pra trás enquanto casais passam por mim
A minha vida toda
Imaginando como se conheceram e o que faz com que dure
Se eu descobrisse o lugar, será que reconheceria o rosto?

Algo me diz que poderia ser você
Diz que poderia ser você
Tantas caminhadas em silêncio a fazer
Tantos sonhos a despertar e há tanto amor a fazer

Acho que vamos precisar de algum tempo
Talvez tempo seja tudo de que precisamos
E algo me diz que poderia ser você
A minha vida toda

Tenho guardado canções de amor e de ninar
e muitas coisas mais que ninguém ouviu
algo me diz que poderia ser você
eu sinto que poderia ser você
minha vida toda
é você, é você a pessoa por quem tenho esperado a vida toda
talvez seja você a pessoa por quem tenho esperado a vida toda


*Pingar = Aqui neste blog sempre que se usar a palavra "pingar", significa que a cafonice era tanta que transbordou. Ou seja, PINGOU.

ninguém sai
HOJE EU QUERO QUE O MUNDO ACABE EM UÍSQUE

Semana difícil. Dia difícil.
E pra matar a tristeza só mesa de bar.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2004

plantão da farmácia central
VEM AÍ O RISCO-NAMORO

Amor é como diplomacia: vá até o limite, mas nunca ameace a soberania da nação.

Sempre fui a favor de exigir visto para quem entra na minha vida e atualmente estudo a hipótese de fichar as pessoas novas. Talvez até criar um esquema, como o dos americanos, de classificar quem chega: verde para o turista bonzinho e vermelho para quem pode jogar um avião no Pentágono.

O problema é que eu provavelmente deixaria entrar todos os alertas vermelhos e deportaria os turistas que chegassem para gastar dólares no meu país.

Manter a soberania da nação envolve uma série de fatores. O mercado financeiro, por exemplo. Uma ação vale tanto mais quanto as pessoas acreditam que ela vale. E, se você não se dá valor, quem vai comprar papéis da sua empresa?

Se existe risco-país, por que não o risco-namoro? E, se alguém passasse a usar esse indicador, eu gostaria de ser considerado um investimento de baixo risco. Sim, pode investir no meu país porque eu não vou dar o cano nos pagamentos. E prometo toda a rentabilidade da minha economia emergente.

Ter soberania é saber os limites. Os seus, do seu namorado e das pessoas que dão em cima dele. Sim, pode me chamar de glenn. Mas por acaso alguma nação deixa que outra cruze suas fronteiras sem declarar guerra?

Como os diplomatas, um bom namorado precisa falar várias línguas além de ser especialista na sua própria. Se for um idioma difícil, tipo árabe ou japonês, melhor ainda! E é preciso não exagerar nas ligações internacionais. Telefonemas custam caro. Tanto que até hoje não saldei algumas dívidas.

É difícil deixar que sua balança comercial dependa dos negócios de outro país para ficar positiva. E se ele resolver fechar negócio com um dos tigres asiáticos? Ou se a dívida interna dele criar uma crise e ele não conseguir mais honrar os compromissos com você?

Encarar tantos desafios pode parecer desanimador. O número de diplomatas me parece tão pequeno quanto o de casais felizes, por exemplo. Mas não dá para desistir de fazer negócios. É preciso continuar exportando as bananas e figos que sua terra varonil não vai parar de produzir nunca. Só é preciso achar a nação certa.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2004

arrasou
MANDOU O DEDO E FOI PARAR NO XILINDRÓ

A notícia do dia de hoje foi a prisão do americano Dale Hobi Hersh, 53, comandante de um vôo da American Airlines.

Ao chegar ao aeroporto de Guarulhos ele bancou o engrçadinho na foto abaixo.



O povo ficou bravo e ele agora pode pegar dois anos de cana.

Agora só falta o Brasil e os Estados Unidos entrarem em guerra por causa do dedo do piloto. Tudo bem, os americanos pediram desculpas pelo gesto do cara. Mas eu acho que tem mais é que fichar todo mundo que vier ao país.

master brewer
UMA TEMPESTADE BOÊMIA ESTÁ FERVILHANDO



The greatest thing you'll ever learn
Is just to love
and be loved in return

segunda-feira, 12 de janeiro de 2004

mundo cão, digo, mundo pavão
HOMEM É ESPANCADO APÓS MATAR PAVÃO NO RIO

(Deu na "Folha" de hoje. Eu caguei de rir... Imagina as travas revoltadas batendo no dingo?)

O desempregado Paulo Roberto de Oliveira, 37, foi agredido a socos, pontapés e pedradas por um grupo de travestis, na madrugada de ontem, na praça da República (centro do Rio).

A polícia contou que Oliveira, com fome, matou um pavão que vivia na praça e era ave de estimação dos travestis da região. Revoltado ao ver Oliveira pulando a grade da praça com o animal morto, o grupo começou a atirar pedras, agredindo-o ainda com chutes e socos na cabeça.

Ao tentar fugir dos travestis, pulando a grade para voltar à praça, Oliveira ficou com o braço direito preso à ponta de uma das lanças da cerca.

O desempregado contou aos PMs que os travestis viram quando ele ficou preso às grades, mas se recusaram a ajudá-lo. O caso foi encaminhado à 4ª DP, onde o desempregado seria indiciado por crime ambiental pela morte do pavão caso alguém registrasse a queixa.

promessa é dívida
EU FALEI QUE FARIA, NÃO?

E no sábado à noite conversei um tempinho com alguém que, minha intuição diz, é muito especial. No fim da conversa eu disse que faria um post para ele.

Queria que fosse algo capaz de tirar os pés dele do chão ou de fazer ele ter o mesmo frio na barriga que senti quando ele falou que pensaria em mim "com carinho".

Tentei redigir mil coisas que fossem bacanas como as que ele escreve. Como ainda não consegui, optei por um pedacinho de uma de minhas músicas favoritas. Ela dá o recado enquanto não termino de elaborar o texto ideal.

I'm sorry but I'm just thinking of the right words to say
I know they don't sound the way I planned them to be
But if you wait around while I make you fall for me
I promise you
I promise you
I will


"The Promise", When in Rome

sexta-feira, 9 de janeiro de 2004

vai meu irmão, vai evangelizar
E NESTE FIM DE SEMANA, DECIDI: EU VOU À MISSA


Existe um poço no meio do deserto
O povo passa perto da sede a reclamar

Se tu soubesses quem pode dar-te a vida
Seria dissolvida a mágoa mais cruel

Jesus é a vida vencendo toda a morte
Mudando a nossa sorte
Livrando-nos do mal

Eu quero um rio de água viva
Eu quero um sopro de esperança
Minh'alma segue e não se cansa
De caminhar

quinta-feira, 8 de janeiro de 2004

matemática da tortura
LINHAS CRUZADAS

CENA 1: Vi um cara superinteressante no elevador do trabalho hoje. Ele entrou, a gente se olhou e, no térreo, cada um foi para seu lado

CENA 2: Eu descia a Frei Caneca com uma amiga. Um menino superfofo subia na direção contrária, a gente se olhou e nunca mais se viu.

O que me incomoda é pensar que tudo poderia ser diferente se um de nós tivesse dito "oi" ou trocado algumas palavras. Eu não tive coragem e nem eles.

Mas agora vou passar o resto da vida lembrando disso e pensando: "e se eu tivesse falado com ele?"

terça-feira, 6 de janeiro de 2004

breve numa locadora perto de você
O TARADO DO RISCA

Morar no risca-faca* tem lá seus benefícios...

O maior deles é o fato de que tem uma locadora de vídeo ótima. Sabe aquelas de bairro, que foge do esquem Blockbuster?

A melhor coisa de uma locadora assim é: a sessão de vídeos pornô!

O povo de lá já até me olha meio atravessado porque, já que na adolescência eu nunca tinha coragem de alugar nenhum, agora eu me jogo no ABC do XXX. XXX entre XY, se é que me entendem.

A dona da locadora é daquelas mulheres de com a vida, que cumprimentam alegremente todo os clientes. Menos eu, claro. Eu percebo que o "oi" que ela me diz tem um certo ar de repreensão. E apreensão.

E já até elegi meu galã pornô favorito, O Max Grand. Ele é daqueles que beijam com vontade e a gente percebe que ele sente tesão pelos caras com quem trepa. Porque tem uns carinhas que, dá pra perceber, não estão com a mínima vontade. Sabe?


Hi.... Busy?

*risca-faca = trecho do bairro onde moro, que fica perto do famigerado Minhocão, no Centro de São Paulo

segunda-feira, 5 de janeiro de 2004

eu prometo
VIDA QUE VEM E QUE VAI

Sou ótimo em fazer projetos. E péssimo em cumpri-los.

Mas o que tenho em mente para este ano vai exigir uma dose muito maior de:

1. Leitura de jornais e revistas, inclusive dos que eu não estou acostumado a ler.

2. Pelo menos mais duas horas diárias no trabalho, inclusive quando eu não estiver com vontade.

3. Pelo menos mais uma hora por dia na academia, o que faz com que eu precise de um dia de pelo menos 30 horas. Ou que eu abandone o blog e o fotolog. O tempo gasto com este post, por exemplo, poderia ser usado para ler uma página de revista.

4. Pelo menos mais uma hora diária de leitura de livros. No momento estou lendo "Mrs. Dalloway". Estão na fila "Cem Anos de Solidão", "Budapeste", "Ensaio sobre a Cegueira" e "A Ditadura Envergonhada". Mas isso eu resolvo se parar de ler gibi da Magali.

Conclusão: Preciso entender que tenho 26 anos (quase 30!) e não sou mais adolescente em ritmo de festa. Ou tomo uma atitude agora ou vou terminar tomando Dan-Up.

O que me aconselham?

domingo, 4 de janeiro de 2004

só na camufla
AMIGOS. MUITO AMIGOS

Fui ver "O Senhor dos Anéis - O Retorno do Rei".



Existe coisa mais homossexual que a amizade entre Frodo e Sam?

quinta-feira, 1 de janeiro de 2004

veste aí o paletó*
LET'S GET PHYSICAL

Não estou nem um pouco animado com a virada do ano.

Para dar uma idéia, fui dormir às 23h30 do dia 31. Acordei com o barulho dos fogos, dei um beijo em Mammy Curi e Pappy Curi e voltei pra cama.

Dia 5, segunda, além de voltar ao trabalho começo uma nova fase: vou me matricular de novo na academia. Desta vez vou para a Runner, perto lá do risca-faca onde moro.

A idéia é fazer um mínimo de exercício físico para compensar a quantidade industrial de álcool e gordura que consumo.

Enfim, basicamente uma Bridget Jones, né? Só espero terminar o ano com Mark Darcy e conseguir nunca mais falar com Daniel Cleaver.

De qualquer maneira, com ou sem namorado, acho que 2004 vai ser um ano incr[ivel. Mesmo.

*nos idos de 1987, meu irmão cantava, em determinado trecho da música "Let`s Get Physycal", "veste aí o paletó... o paletó..."