Central de Manicures

o retorno de zabelê, zumbi e besouro... a vespa não veio. tá lá, fabricando mel

terça-feira, 30 de setembro de 2003

"zoofilia é foda", queixou-se a cabrita
SABE A ÚLTIMA DO PAPAGAIO?


Não é piada, mas o Louro José está para se lançar como cantor.


É isso aí!

Tem até direito a coletiva de imprensa, marcada para dia 3, quando profissionais que passaram quatro anos na faculdade serão deslocados até um bufê nos cafundós do Morumbi, enfrentar um trânsito do cão e ficar de mau humor só para conhecer os detalhes do projeto.

Adianto alguns aqui: o "álbum" vai se chamar Pet Hits e também terá uma versão em VHS. É destinado a crianças (normais, acredite) de 3 a 7 anos de idade.

Na faixa que abre o disco, Louro José conta que "nasceu para brilhar no rádio e na TV". Praticamente uma Hebe Camargo.

Outros destaques do repertório são a natalina “Noite Feliz” e – viva os anos 80 – "Lindo Balão Azul".

Pet Hits. Um lançamento animal da BMG.

segunda-feira, 29 de setembro de 2003

breaking the vow
SOME WORDS FROM A DRUNK MAN

I made a vow that I would never write here if I were drunk (like now).

I lied.

It's been so long since I last had this much fun as tonight.

I am so absolutely unbelievably drunk as I write these words. But never in my life have I been happier.

Blame it on Rafael, my best friend (yeah, the handsome, cute guy I showed you, remember?).

It started out as an innocent movie we went to. "Down with Love", starring Renée Zellweger and Ewan McGregor.

But the movie was so funny that we celebrated it with some drinks and, since I am not working this Monday (thank God!), we went to La Foule.

OK, we went to A Loka. Never been there? Oh, honey!

We pretended he was a foreigner and that is pretty much where all the fun began. We actually met a Rosanna Arquette cover. Ask me about that later...

Anyway, right now he is probably in bed and I should be too. I will in a few minutes, honey. I just wanted to say that this was a great night. And (sorry for the typing mistakes) that I wish you all a great day.

And now y'all can go back to work. Will ya?

domingo, 28 de setembro de 2003

ih, caralho...
A VOLTA DO MORTO-VIVO

Hoje me deu uma saudade louca d'Ele.

É assim mesmo, Ele, com inicial maiúscula. Que nem Deus, sabe? Todo mundo já teve ou tem um assim.

Ele foi o primeiro. O mais intenso, o que reúne mais superlativos. Tanto os bons quanto os ruins.

Não o vejo desde abril. E antes de abril não o via fazia quatro anos. Mas foi só a gente dizer oi e parecia que eu tinha acabado de me apaixonar outra vez. Tudo o que eu julgava sepultado voltou a me atormentar.

Espero, para meu próprio bem, que Ele continue sumido.

Ele é uma espécie de vampiro que suga minhas emoções. E leva no pacote meu amor próprio, minha auto-estima e minha sanidade.

Sobra só o que Ele quiser deixar. Se quiser deixar. E eu fico vivendo em função d'Ele. Só.

O pior é que pensar n'Ele agora é praticamente um prenúncio de que o telefone vai tocar ou de que algum e-mail vem por aí.

Com a notícia de que Ele está chegando. E, do meu lado, ELE é cada vez mais maiúsculo. eu, não.

sexta-feira, 26 de setembro de 2003

clipping
UMA LADY NA MESA, UMA LOUCA NA CAMA

Pensou cafona, pensou Elymar. Nem vou me dar o trabalho de ver quantos discos ele vendeu. Basta lembrar que várias das músicas dele ficaram na cabeça da gente, grudadas.

Hoje achei o belo ping-pong abaixo, no site do cantor (sim, eu entrei lá) e pensei que você, leitor da Central, gostaria de conhecer melhor a intimidade desse astro da breguice. A entrevista, segundo o site, é do jornal carioca "O Dia".



Você não tem um pingo de vergonha!


O Astro na Intimidade

O Dia: Parte do corpo que mais gosta em você
Elymar: Eu gosto dos meus olhos, do meu olhar, falo muito com ele. Acho que o meu olhar me entrega.

O Dia: Parte que você mais gosta no corpo dos outros
Elymar: Mesma coisa, os olhos.

O Dia: Melhor comida pra depois
Elymar: O que vier eu traço, porque dá uma fome daquelas.

O Dia: Uma tara
Elymar: Um bom espelho e uma luz acesa. Eu gosto muito de ver.

O Dia: Ciúme: bom ou mal?
Elymar :Eu acho ótimo. O dia em que alguém que está comigo não sentir ciúme eu vou enlouquecer. Claro que doentio não, tudo excessivo não é legal.

O Dia: Uma grande fantasia erótica
Elymar: Fazer amor num carro alegórico em plena Marquês de Sapucaí, de preferência na minha escola de samba, Imperatriz Leopoldinende.

O Dia: Melhor hora para o amor
Elymar: Eu prefiro à noite, mas, como em meu quarto é sempre noite, qualquer hora é hora.


Não muda que a gente quer você sempre assim, Ely!

terça-feira, 23 de setembro de 2003

eu, eu mesmo e irene
"ANTES DE TE CONHECER, EU TE ACHAVA TÃO METIDO..."

Já me acostumei a ouvir a frase. E hoje até fico feliz quando alguém vem me falar isso.

Sinal de que minha máscara de malvado é um sucesso. Porque, no fundo, no fundo, sou um menino católico, bonzinho e conservador. Daqueles que sentem pena quando alguém se fode e fazem força para ajudar os outros.

Mas ser assim é muito sem graça, sabe?

Aí eu me esforço para ser alguém que não presta. Assim ninguém se mete a besta comigo. E, quando se mete, ganha meu respeito. Ou algo mais. Como um menino com quem fiquei.

Foi hilário. A gente junto e ele começou a dizer que eu era tão metido, tão cheio de mim e tinha me ferrado: estavam ali, nos braços dele, completamente rendido. Totalmente verdade.

Mas é que, como todo o mundo, eu também sou dois ao mesmo tempo: em público e em particular.

O público é assim: antipático, arrogante mesmo. Até onde permite minha natureza sagitariana, que exige a aprovação e a admiração alheia.

O verdadeiro "eu" precisa de uma carapaça resistente. Porque é sensível, carinhoso, dedicado, sincero... Coisas que andam em baixa atualmente.

Ah, você não acha? Então pense na sua reação quando conhece em uma festa alguém com o perfil número 1 (o arrogante) e quando é apresentado a um nº 2 (o bonzinho).

Pensou?

O primeiro é muito mais interessante, não?

Eu sei que é. Pessoas boazinhas são sem graça. Eu também acho. Por isso me esforço tanto em ser mau, egoísta, mesquinho e afins.

Porque na vida, sua cotação é alta ou baixa na medida estabelecida por você mesmo. O duro é quando a gente aprende isso da maneira mais sofrida. Mas aí já é assunto para outro post.

segunda-feira, 22 de setembro de 2003

note e anote
LAR DE UM ESTETICISTA

Quando eu era criança, minha mãe tinha mania de encher a estante (???) da sala com frutas de cerâmica. Parecidas com as belíssimas aí de baixo.



Será que eu sou assim por causa dela?

sábado, 20 de setembro de 2003

boas-novas
ERA DE AQUÁRIO

Venho com prazer (mesmo) comunicá-los que a maldição (ou seria bênção?) do signo de câncer terminou. Depois de três cancerianos, ganhei o auxílio de um aquariano.

Adoro sim!

quarta-feira, 17 de setembro de 2003

desejo, necessidade, vontade
LÂMPADA DO ALADIM

No sábado que vem quero ficar na frente de alguma televisão embaixo de uma coberta. E vendo, das duas uma: ou algo beeeeeeeeeeeeeeeeeeeem tosco ou beeeeeeeeeeeeeeeeem legal.

Pode ser?

(rezando para me fazer entender)

E antes que alguém venha de gracinha, Aladim se escreve assim mesmo.

terça-feira, 16 de setembro de 2003

parece mentira, mas não é
ERA PARA SER ENGRAÇADO....

Acordou um dia e percebeu que tinha perdido o humor.

Não o humor estado de espírito. Não. Isso ele nunca teve mesmo. Perdera a capacidade de achar graça do que quer que fosse, de pastelões do Mazzaropi a filmes do Almodóvar.

Foi bem enquanto escovava os dentes, com a mesma pasta que usava desde os tempos de casado. Lembrou de uma piada contada na noite anterior pelo colega de escritório. Era hilária. Era. Era mesmo. Mas não conseguia mais rir.

Sentia vontade, claro. Mas simplesmente não conseguia. Talvez a briga no fechamento de anteontem tivesse sido a gota que faltava e estaria destinado a nunca mais, nunca nunquinha na vida, conseguir rir outra vez.

Ligou pro trabalho e disse que se atrasaria, o que logo deixou o chefe de mau humor. Mas não podia sair de casa sem a capacidade de rir. Tudo bem ir sem gravata, com meias da cor errada ou de ressaca. Sem calça até. Mas nunca sem humor. Isso poderia valer o emprego.

Colocou um vídeo do aniversário de 15 anos cafona da irmã, aquele que apesar de já ter visto mil vezes, ele sabia, era gargalhada certa.

Nada.

Ligou para a amiga mais divertida que tinha. Ela estava de TPM e falou que telefonava mais tarde. O irmão caçula, próxima opção, tinha brigado com o namorado e precisava de alguém para conversar. Fingiu que a ligação tinha caído e tentou de tudo, sem sucesso: livros, fitas, fotos antigas, até trote na ex-mulher. Que, por sinal, estava super de bem com a vida, ao lado daquele publicitário famosérrimo.

Passou a hora do almoço e nem um sorriso sequer. O telefone tocou. O celular também. O bendito identificador de chamadas alertou: era o chefe. Conseguiu não atender. Mas sempre existe a merda da caixa postal. "Ou vem agora para o escritório ou amanhã limpar sua mesa". Foi sem rir mesmo.

Produziu como nunca, tentando esquecer que não conseguia mais achar graça nem da roupa brega da menina do atendimento.

Deu um tiro na cabeça dois dias depois.

segunda-feira, 15 de setembro de 2003

eureka
CIENTISTAS ACABAM DE COMPROVAR


Síndrome de Glenn Close em estágio avançado

quinta-feira, 11 de setembro de 2003

sessão mela-cueca
AINDA O SIGNO DE CÂNCER

Lá vou eu falar de coisas da minha intimidade outra vez, espero que ele não fique bravo. E que também não fique achando que tá arrasando. Porque daí eu corto sua onda, viu?

10 COISAS QUE EU ADORO EM VOCÊ
A capacidade de me fazer rir
O bom humor de rir das minhas piadas
A inteligência
Os óculos que deixam você com cara de inteligente
O bom gosto, dos perfumes aos filmes
Oscilar em segundos do fino ao bagaceiro
Beber tanto quanto eu (ou mais)
O cabelo, meio preto, meio grisalho, penteadinho pra cima
Ser um fofo quando não tem mais ninguém por perto
E quando tem também

terça-feira, 9 de setembro de 2003

olha aí o meu guri...
IBERÊ É ASSIM... UM GÊNIO PRA MIM...

Impressionante como certas pessoas são simplesmente geniais.

Um dos cérebros mais privilegiados (e toscos) que tive o prazer de conhecer foi o do cretino do Iberê. Ele consegue ver sempre um lado diferente de tudo, tem um humor ácido e, pra completar, é um gatinho. Mas não cresçam o olho que ele é casado com a Marcinha.

Vejam o texto abaixo, que li no blog dele...


Após os trinta e sete anos de projeto mais dezoito meses de execução, acionei finalmente o botão da máquina do tempo.
Assassinei Décio Piccinini e roubei seu lugar como jurado no Show de Calouros do Silvio Santos, depois pulei para 2001, respondi e ganhei um milhão em barras de ouro (que valem mais do que dinheiro) no Show do Milhão, colando todas as respostas de Jair, o Homem Enciclopédia, logo em seguida propus comprar de Bill Gates a Microsoft em 1982 por 500 mil em barras de ouro, ele me disse que venderia porque ouro vale mais do que dinheiro. Inventei o video-cassete, inventei o toca-discos laser, lancei o Exterminador do Futuro 2 logo após a estréia do primeiro, comi todas as estrelas de Hollywood antes de elas ficarem famosas, contei pra todo mundo que o Rock Hudson era gay no auge de sua carreira, inventei o cinema em cores, depois disso inventei o cinema, construí as pirâmides do Egito, destruí o nariz da Esfinge, transei com a Cleópatra, que era gostosa, mas tinhas os dentes podres, fui à televisão e previ que a próxima tendência seriam os mullets, virei baterista dos Beatles e depois fundei o Trio Los Angeles, com a Cléo e a Ana Maria. Descobri a América, previ a morte dos Mamonas Assassinas, fundei o McDonald's, lancei a Macarena no verão de 93, voltei pra casa, me masturbei e dormi.


Mais Iberê aqui.

é preciso ser humilde de vez em quando
POR QUE AS PESSOAS ODEIAM OS SAGITARIANOS

"Eu quero ficar com você hoje, agora, não importa se amanhã de manhã nós dois temos compromisso. Quero que você venha pra minha casa agora, às três da manhã, pra gente trepar em cima da mesa. Eu sei que você não tem como vir, mas pega um táxi, pô... Vai ser tão legal...Não interessa se você não está afim. Não percebe o quanto a gente pode ser feliz junto?"

OK, OK, eu sei que nem todo mundo tem fígado para agüentar as vontades inconseqüentes de um sagitariano. Sem contar que a gente se apaixona e se desencanta com a mesma velocidade.

Mas ninguém pode negar que qualquer festa fica mais animada quando um de nós chega. Se os outros signos forem um pouco menos conservadores e souberem arriscar nas horas certas, vão ver que nós nos divertimos mais que a média das pessoas.

E estão aí meus amigos Chiara, Cristiano, Alice, Iva, Rena, Vivi Suave, Ju D'addio e Ari que não me deixam mentir.

entra ano e sai ano...
ESSES FORAM PRO TRONO. E FICARAM.

Quando eu tinha seis anos, Kid Abelha e os Abóboras Selvagens era um sucesso danado. Faço 26 em novembro e eles ainda são um sucesso. E com as mesmas músicas. Cara, eu cresci ouvindo "Lágrimas e Chuva"(e achando que eram lágrimas DE chuva)!

O fato é que comprei outro dia o CD Acústico deles e estou completamente apaixonado. As músicas são tãããão legais... E lembram taaaaaaaantos momentos dos últimos 20 anos...

O mais curioso é que desde que eles regravaram "Quero te Encontrar", não consigo mais pensar que era uma música de Claudinho e Bochecha. Pra mim parece que SEMPRE foi cantada pela Paula Toller.

Enfim, o fato é que não me sai da cabeça. Assim como "Os Outros". Quem conseguiu ver o post de domingo que eu apaguei, vai lembrar... "minha vida continua, mas é certo que eu seria sempre sua..."

Aliás, se alguém tiver o CD do Kid Abelha com a versão original dessa música, por favor, mande de presente para o meu salão. Adoro sim, como diria dona Xiara.

Muá pra vocês!

segunda-feira, 8 de setembro de 2003

é bom para o moral
NADA SE PERDE, NADA SE CRIA, O ÁLCOOL SE TRANSFORMA

Você percebe que anda sem crédito no mercado quando até uma pessoa que nem o conhece duvida que você consiga parar de beber.

Veja o que me aconteceu ontem...

Eu estava em um táxi e liguei para o meu amigo César. Falávamos sobre a bagaceira da noite anterior e travamos o seguinte diálogo:

– Por que a gente é assim, César? Vamos parar de beber?, sugeri.
– Acho que a gente precisa mesmo, respondeu ele.

Daí me dei conta de que o taxista estava rindo da minha cara. Vê se pode! Na hora que desci do carro, ele ainda virou pra mim e disse:

– Vou fazer o seguinte: hoje eu cobro a corrida e, no dia que você parar de beber, pode me procurar que eu devolvo o valor.

Desci do táxi indignado.

Horas mais tarde teve festinha na casa do César. Comecei a noite bebendo água. Daí tomei uma Smirnoff Ice. E outra. E mais duas. Para tirar o doce da boca, tomei suco de laranja com vodca. O César também encheu a cara (porque eu não vou me incriminar sozinho, né?).

Foi um domingo feliz.

dizem que fogo e água não combinam
POR QUE ODEIO HOMENS CANCERIANOS

"Não tenho muita certeza se quero trepar com você. Mas fica aqui por perto porque, sabe lá, pode me dar vontade. E se eu já tiver dito que não, vai ser difícil lidar com o arrependimento de ter descartado alguém que poderia me fazer feliz"

Eles não admitem isso a ninguém, mas é exatamente assim que funciona a cabeça deles. Eu sei porque estou virando expert em cancerianos.

Eles são charmosos, inteligentes, especiais... mas são TÃO complicados que é melhor desistir e virar amigo logo de uma vez.

Em suma, odeio cancerianos porque amo cancerianos.

domingo, 7 de setembro de 2003

Frase para um dia de ressaca: Eu quero um rio de água viva

Tô aqui abraçando a salete, menina! Praticamente óbito.

sábado, 6 de setembro de 2003

meu lado tiete
O PICA DOCE




Eu sei que é cafona, mas eu gosto muito do Fábio Jr.

Pronto. Falei.

quinta-feira, 4 de setembro de 2003

1001 noites de suspense no meu quarto
O OITAVO PECADO CAPITAL

Esqueça o terrorismo. O maior crime da sociedade nos dias de hoje é telefonar para uma pessoa um dia seguinte depois de transar com ela.

Sou reincidente neste tipo de crime, com ficha em vários distritos. Fui condenado a dois de anos de prisão domiciliar e escapei por pouco da morte social. Atualmente cumpro pena em regime de braços semi-abertos, porque tenho abri-los completamente pode significar a perda da liberdade condicional.

O tema veio à tona dia desses, em roda de bar com amigos. Ana, 39, dois parceiros por semana, considera o crime hediondo. Pedro, 38, divorciado e com um namoro a distância, estima que o interesse por quem telefona no dia seguinte diminua até 60%. "É um sinal de desespero", explica.

Eu, 25, solteiro, cansado de comer sorvete vendo "Programa do Jô" sozinho, confessei o crime. Havia ligado, menos de uma semana antes, para um cara por quem estava perdidamente apaixonado. A transa tinha sido ótima e achei que repetir a dose no dia seguinte poderia ser ainda melhor. Por que não? Ele poderia estar em casa sozinho, com tanta vontade de trepar quanto eu...

Não estava. Quer dizer, estava sozinho. Mas preferia continuar assim. "Por isso ele não quer mais. Você agora virou o cara para quem ele só vai ligar quando precisar de uma foda certa", sentenciou Fábio, 24, que como eu cansou da solidão mas tem dificuldade de levar adiante qualquer relação que passe de 15 dias.

Réu confesso, provoquei um riso meio nervoso nos demais. Afinal, quem é bem-sucedido, tem TV a cabo e já viu pelo menos um episódio de "Sex and the City" sabe que o dia seguinte é de retiro espiritual. Serve para expiar o pecado de ter sentido prazer no dia anterior. Mais ou menos como o noivo que não deve ver a noiva de vestido antes do casamento, o dia seguinte está para as transas como a quarta de cinzas para o Carnaval: não importa se foi bom, uma delícia, inesquecível... é preciso abaixar a cabeça no dia seguinte e pedir perdão pelos pecados.

terça-feira, 2 de setembro de 2003

eu rondo a cidade...

UM CRETINO NUMA NOITE DE MEIA SUJA
ou “Dois Cretinos numa Noite Fina - parte 2 - Manny Strikes Back”



Calça, terno, sapatos e camisa pretos. Gravata cinza. Meias brancas.

Não é prova do Detran, mas basta saber dizer o próprio nome para entender o erro, ou melhor, o drama da frase acima.

Com este figurino adentrei um dos hotéis mais chiques do país, na noite de ontem, depois de ser escalado de última hora para cobrir uma festa bacana do Rio.

Acontece que o convite exigia traje passeio completo (terno e gravata) e eu, do jeito que estava, não teria autorização nem para andar na quadra da festa.

A solução foi alugar a roupa. Mas como não existe crime perfeito, a loja não tinha meias para vender . Nem para alugar, financiar, trocar, rifar ou qualquer outra coisa que evitasse o mico de estar de preto dos pés à cabeça, com a meia branca dizendo “oi” às pessoas antes que eu as cumprimentasse.

“Mas a perna da calça é comprida! Dá pra esconder”, tentei me consolar.

Um prestobarba, creme de barbear e gel de cabelo resolveram os outros problemas. Até que senti falta de uma coisa essencial para um ser humano: desodorante! Como esqueci de comprar desodorante????

No melhor estilo McGyver, dei um truque com o creme de barbear mentolado Bozzano. E nem ardeu! Resolvidos os problemas, fui à festa. O tempo todo puxando a calça pra baixo, discretamente, claro.

A voz da minha consciência repetia à exaustão:

“Sob nenhuma circunstância você pode se sentar”.

A primeira visão que tive na festa foi das melhores: uma garrafa de Johnnie Walker Black Label. Que eu, profissional, consegui rejeitar. Fiquei só no Veuve Clicquot, para compensar o excesso de Chandon Brasil da última sexta-feira.

Depois de trabalhar por hoooooooooooooreas, fui com o fotógrafo ao Jobi, no Leblon. Tomamos um chope e eu não desperdicei a chance de ir ao BB Lanches.

Para quem não sabe, BB Lanches é tudo na vida de uma pessoa. Lá vende um pastel de camarão com catupiry que eu APOSTO: é feito por Deus. Eu comia e pensava: “Mas por que tão gostoso? POR QUE?”.
Ocasionalmente esquecia que já não estava mais na festa e dizia mentalmente: “Não senta! Você tá de meia branca!”.

De volta ao hotel que a “firma” tinha reservado, achei que era hora, sim, de ser fino. Uma pessoa que passou a noite de terno preto e meia branca precisa ter alguma alegria na vida, não?

Por isso fui tomar banho de banheira. Morrendo de sono – já passava de duas da manhã – deixei a banheira enchendo e fiquei vendo TV. Quando chegou a hora do meu encontro marcado com o luxo, a decepção: a água do chuveiro não estava esquentando.

Só restou ir dormir. E sonhar que todos caçoavam das minhas meias brancas.